Resenha #68 - Bem-Casados, Nora Roberts


Bem-Casados é o terceiro livro da série Quarteto de Noivas, cujas resenhas do primeiro e segundo volumes já estão disponíveis aqui no blog. Acho que pelas últimas postagens já deu pra perceber que estou amando ler essa série, e queria chamar atenção para algo que eu ainda não havia dito, em relação aos títulos dos livros. O primeiro volume se chama Álbum de Casamento, e nos conta a história da fotógrafa, o segundo, Mar de Rosas, que trata sobre a florista, o terceiro, Bem-Casados, é sobre a confeiteira e o último, Felizes Para Sempre, nos mostra a história da organizadora da Votos. Todos eles fazem menção às suas protagonistas, e achei esse um detalhe bem interessante.

Bem-casados, terceiro livro da série Quarteto de Noivas, é uma linda história sobre a doçura do amor. Quando terminar de lê-lo, você terá certeza de que os sonhos podem se realizar das formas mais inesperadas. Parker, Mac, Emma e Laurel, amigas de infância, ganham a vida realizando o sonho de inúmeros casais apaixonados. As quatro são proprietárias da Votos, uma empresa de organização de casamentos. Após ter trilhado um caminho muito duro para conseguir ser alguém na vida, Laurel McBane se tornou a criadora dos bolos e quitutes mais lindos e saborosos do estado. Ela preza sua independência acima de tudo e não aceita que ninguém interfira em suas decisões. Talvez por isso, apesar do sucesso profissional, ainda não tenha se entregado ao amor. Apaixonada desde sempre por Delaney Brown, irmão de Parker, ela nunca teve coragem de revelar seus sentimentos. Afinal, sabe que é como uma irmã para ele. Advogado da Votos, Del se sente responsável por cuidar não só dos assuntos burocráticos da empresa, mas também do bem-estar das quatro sócias. Porém, sua postura paternalista e superprotetora começa a gerar desentendimentos entre ele e Laurel. Mas essas diferenças de opinião também fazem ferver uma química que vinha cozinhando em fogo brando havia muito tempo, acendendo uma faísca que eles não sabem se conseguirão – ou se querem – conter. Agora Laurel e Del precisarão conciliar suas convicções e personalidades para que o orgulho não fale mais alto que a paixão.

Nesse terceiro livro a autora nos conta a história de Laurel, que como eu mencionei lá em cima e a sinopse nos diz, é a confeiteira da Votos. Ela é uma mulher bastante decidida, apesar de às vezes se sentir inferior social/economicamente em relação às amigas, mesmo se repreendendo por ter tal reação, já que ela sabe que entre elas questões como essa não são nem minimamente importantes. Elas cresceram juntas, as quatro e Delaney, irmão de Parker (protagonista do quarto livro).

Assim, apesar de há anos nutrir sentimentos pelo irmão de sua melhor amiga, nunca pensou que poderia externalizá-los, mas em um momento de irritação com a forma superprotetora com que Del as trata, como se fossem todas irmãs e responsabilidade dele, Laurel o beija e deixa claro que ela não é a irmãzinha mais nova de quem ele precisa tomar conta. E isso muda a dinâmica do grupo, por assim dizer. 

A partir daí os dos precisam tentar descobrir como conviver com esses novos sentimentos expostos a céu aberto. E, como já é típico da série, é esse processo que vamos vendo ao longo do livro. Acho importante ressaltar que em cada um deles há uma dinâmica diferente, mesmo havendo alguns momentos que tenham se tornado tradição e por consequência sejam repetidos em cada volume, mas em cada um deles há um toque especial da personagem mais fortemente tratada na obra.

A personagem principal masculina desse terceiro livro, Delaney Brown, além de irmão de uma das mulheres do quarteto é também o advogado da Votos, características que o deixam bastante inserido no trabalho das meninas. Ele também é bastante racional (uma característica dos Browns), então o desenvolvimento do relacionamento dele com Laurel é bastante sensato. Mas é claro que quando se trata de amor a sensatez não costuma imperar (apresar de sua existência ser necessária), então chega um momento em que os dois precisam realmente se deixar sentir.

Ah, algo um pouco diferente que ocorre nesse volume são as várias passagens que temos sob o ponto de vista que não são de nenhum dos personagens principais, concentradas principalmente em Parker e seus primeiros contatos com Malcolm, o cara que será o par romântico da moça no último livro da série. É interessante notar a gradual evolução de todas as personagens, que vem acontecendo desde Álbum de Casamento - os preparativos para os casamentos de Mac e Carter e de Emma e Jack, assim como a relação entre os casais e a mudança na dinâmica do grupo, que aos poucos vai recebendo novos agregados.  

Percebi que essa resenha não está tão entusiasmada quanto a de Mar de Rosas, mas convenhamos que meu nível de identificação com Emma foi tão alto que não há a menor chance de competição aqui. O que não significa que esse livro não seja tão bom quanto o anterior, porque ele é, sim. A história entre Laurel e Delaney é bem gostosa de se acompanhar e tenho certeza que será a preferida na série de alguém por aí.

Alguém já leu o livro? O que achou?

Até mais!

Comentários

Postagens mais visitadas